Portal do Governo Brasileiro

Alt da imagem

Maria Wagna de Araújo Dantas é economista e especialista em projetos de educação profissional. Segundo ela, o diagnóstico socioeconômico é instrumento fundamental para a implementação do Mulheres Mil. Membro da equipe multidisciplinar do Casa da Tilápia, nome do projeto no Rio Grande do Norte, ela foi uma das técnicas que participou da elaboração e aplicação da pesquisa nas comunidades que serão beneficiadas. Atualmente, Wagna é consultora da Fundação de Apoio à Educação e ao Desenvolvimento Tecnológico do Rio Grande do Norte (Funcern).

Portal Mulheres Mil - Qual a importância do diagnóstico?

Wagna Dantas - O diagnóstico serve para nortear e planejar as ações, pois é fundamental detectar as necessidades educacionais, profissionais e econômicas. Para isso, é imprescindível investigar a vocação das mulheres e as condições técnicas e ambientais. Não adianta elaborar uma política que não vá ao encontro das necessidades e desejos. Portanto, além do conhecimento prévio que precisamos ter sobre o público-alvo, o mais importante é ouvir os sonhos dessas mulheres, o que elas pensam e qual a realidade social de cada uma. É uma questão de protagonismo, de construção das próprias mulheres.

Portal Mulheres Mil - Que aspectos econômicos e sociais devem ser investigados?

Wagna Dantas - Os aspectos sociais são a faixa etária e como está formada a base familiar. A questão da escolaridade é fundamental ser notificada, bem como se essas mulheres têm documentação e se participam de grupos de atividades, como associações, cooperativas, etc. No que diz respeito aos fatores econômicos, é necessário levantar informações sobre a renda individual e familiar. Também é importante levantar se elas desenvolvem algum tipo de atividade econômica e a qualificação. Não podemos deixar de conhecer as expectativas de futuro. Isso é fundamental, porque as pessoas são movidas por sonhos.

Portal Mulheres Mil - As principais metas do Mulheres Mil são ofertar profissionalização e inseri-las no mercado de trabalho. Diante disso, que perguntas devem constar no questionário?

Wagna Dantas - É necessário observar a escolaridade para que a formação educacional seja priorizada, como também as suas habilidades profissionais. Elas têm potenciais e isso precisa ser descoberto e valorizado, até mesmo para a questão da auto-estima.

Portal Mulheres Mil - Que tipo de questionário é ideal para esse tipo de trabalho e como deve ser feita a análise dos dados?

Wagna Dantas – Deve ser um questionário com perguntas abertas e fechadas. Sempre anotando as observações delas sobre o contexto educacional e profissional. Isso é fundamental, porque precisamos descobrir as expectativas e demandas.

Na análise dos dados, é de suma importância o olhar técnico. Se o questionário for aplicado em comunidades diferentes, os dados devem ser tratados individualmente para se ter uma idéia da realidade de cada local. Mas, também, de forma geral, para se ter uma idéia do público e do potencial como um todo.

Stela Rosa - Jornalista do Mulheres  Mil

 

© Ministério da Educação. Todos os direitos reservados | Desenvolvimento: DTI - MEC - Governo Federal