Portal do Governo Brasileiro

Adejalma_Ribeiro

Adejalma Ribeiro sempre teve uma vida difícil. Aos 14 anos, seus pais se separaram. Afastada dos dois, passou a morar com uma pretensa amiga tida por ela, na época, como mãe – em Saubara, município próximo a Santo Amaro. Trabalhando na área da pesca, era, dia após dia, explorada”: não tinha fins de semana e não via o salário que ganhava. Hoje, os tempos são outros. Aluna do projeto Um Tour e Novos Horizontes, em Salvador, Adejalma abraçou os estudos.

A estrada, porém, foi árdua. “Minha vida foi um pouco melhor quando meus pais estavam juntos”, declara. “Quando falei a essa mulher, com quem morava, que não trabalharia mais aos sábados e domingos para ir à igreja, fui expulsa de casa”. Aos 20 anos, foi morar com Francisco, seu primeiro marido. Aos 21, tiveram uma filha. A relação, contudo, era das mais desgastantes: “Ele me humilhava muito na frente dos seus pais, mesmo durante a gravidez. Quando minha filha tinha 1 mês, fui novamente expulsa de casa. Dessa vez, por ele, da casa dos pais dele”.    

Quando sua filha fez 4 meses, ela e Francisco se reconciliaram. Adejalma conta que o retorno, no entanto, se deu muito mais pela necessidade da estabilidade do que por apego. “Nós brigávamos muito, não havia respeito”. Ela se emociona ao lembrar de um episódio em especial: “Um dia, sem que eu tivesse feito nada, ele me bateu. Me deu vários socos. Eu não tinha feito nada, nada mesmo”. A situação havia chegado ao limite. Pouco tempo depois, se separaram. Quando voltou a Salvador, as mudanças começaram.  

“Conheci uma pessoa que me respeita e estamos juntos há um tempo. Aqui, dei início à construção de minha casa”, afirma. A inscrição no projeto Um Tour e Novos Horizontes – no qual está tendo curso de Cuidador Domiciliar, que começou no dia 23 julho e termina em 21 de dezembro – foi feita pela filha. Adejalma aponta a experiência do convívio com outras  mulheres e a volta aos estudos como os maiores ganhos trazidos pelo projeto: “Quase não saio de casa; esses momentos aqui são uma excelente oportunidade para estar com outras pessoas”.

Voltar aos estudos levou Adejalma a, muito mais do que sonhar, agir: há poucas semanas, ela se inscreveu no vestibular do curso superior de Administração do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA). Esse é, hoje, seu maior sonho – junto com o de aprender a costurar: “Estou tomando um curso de costura e, somado a esse do Mulheres Mil e ao de Administração, espero conseguir um emprego com carteira assinada, o que nunca tive antes. Só assim vou concluir a construção de minha casa com meu marido. Ele é pescador, não ganha muito, e estamos construindo juntos, aos poucos”, diz. “Mas sei que vou conseguir”.  

Felipe Deider -  Assessoria de imprensa do IFBA

© Ministério da Educação. Todos os direitos reservados | Desenvolvimento: DTI - MEC - Governo Federal