Portal do Governo Brasileiro
Ana Célia (Divulgação)
Ana Célia Farias Said, professora de língua Inglesa do Instituto Federal do Amazonas, ministrou aulas de inglês para as alunas do Transformação Cidadania e Renda.  O desafio maior foi fazê-las acreditar na possibilidade de aprender um idioma. Poder contribuir com o crescimento e vê-las regatar sonhos foi, segundo Ana Célia, uma das melhores experiências que teve na área da docência. 

Portal Mulheres Mil - Como foi a experiência de ensinar inglês para as alunas do Mulheres Mil?

Ana Célia Farias - Uma experiência muito interessante, um desafio. O público-alvo é diferente do que nós somos acostumamos trabalhar. As meninas não tinham esperança de aprender nada em uma língua estrangeira.

Portal Mulheres Mil - Que dificuldades você enfrentou, visto que se trata de alunas não tradicionais, com níveis de escolaridade diversos?

Ana Célia Farias - A maior dificuldade foi trabalhar a auto-estima das garotas, que acreditavam jamais ser possível estudar ou pelo menos desenvolver atividades em língua estrangeira. As primeiras atividades foram de sensibilização, a fim de que perdessem o temor de estar em uma aula de inglês. Quando elas se sentiram mais à vontade, passaram a produzir melhor.

Portal Mulheres Mil - Você desenvolveu o material didático direcionado para a realidade de camareira e para as mulheres. Quais as peculiaridades desse material?

Ana Célia Farias - A abordagem é a instrumental, voltada à conversação e ao vocabulário, para que elas pudessem aprender a lidar com possíveis situações em que teriam que interagir com os hóspedes estrangeiros. Pequenos diálogos contextualizados dentro da vivência de uma camareira.

Portal Mulheres Mil - Levando em conta que o ato de ensinar é uma via de mão dupla, o que você aprendeu com essas mulheres?

Ana Célia Farias - Trabalhar com as mulheres foi uma das melhores experiências que já tive, pois exigiu paciência, dedicação e perseverança para superar os obstáculos. Aumentou a capacidade de empatia. É como se você tomasse um campo totalmente abandonado e começasse a trabalhar plantando mudas, aparando, regando e deixando que elas absorvam a claridade do sol. Você se sente como parte de algo maior, que ajuda não apenas na parte da instrução, mas na educação dos nossos sentimentos e emoções.
Na sua simplicidade, as mulheres nos mostraram uma face da vida muito difícil e cheia de entraves. Entretanto, através do trabalho conjunto, pudemos notar o crescimento e a ampliação dos seus objetivos na vida. Elas puderam compreender que podiam mais, podiam planejar e lutar para concretizar seus objetivos. E é muito bom saber que temos um pouco de participação nessa mudança tão boa.

Stela Rosa – Jornalista do Mulheres Mil
© Ministério da Educação. Todos os direitos reservados | Desenvolvimento: DTI - MEC - Governo Federal