Portal do Governo Brasileiro

Maria das Graças recebe certificado e comemora o novo emprego (Divulgação - IFBA)

Incluir as alunas no mundo do trabalho é um dos objetivos do Mulheres Mil. Em Salvador, as capacitações apresentam saldo positivo de empregabilidade. Em 2009, das 34 mulheres que fizeram o curso de camareira, 13 estão empregadas. Em 2010, a turma de cuidador domiciliar, com 25 alunas, já tem 12 mulheres trabalhando. A cerimônia de formatura aconteceu na última terça-feira (12/01)

Uma das participantes do curso de cuidador domiciliar conseguiu emprego antes da conclusão da capacitação e serviu de exemplo para as colegas e de orgulho para os professores. Maria das Graças tem 50 anos e três filhos. Antes de participar da qualificação, ela trabalhava como doméstica ganhando R$250 e hoje recebe R$600 atuando na profissão de cuidadora.  “Tomo conta de uma idosa de 70 anos que tem mal de Alzheimer, me preocupo em dar os medicamentos na hora certa, aplico insulina, verifico pressão, faço teste de glicemia e dou banho”, afirma Maria.

Para a formanda Graziela de Oliveira, 33, o curso proporcionou uma mudança de comportamento para melhor. Ela relata que não imaginava o leque de novos conhecimentos que iria adquirir no curso. “Pensava que não ia ser tão divertido, mas eu aprendi a trabalhar em grupo, coisa que eu não sabia. As aulas de saúde bucal e de primeiros socorros foram ótimas para mim que tenho filhos. Agora eu pretendo trabalhar muito e passar o que eu aprendi”, conta Graziela. Esperançosa, ela aguarda a resposta de uma entrevista de emprego.

Atividade de cuidador é promissora

Durante a cerimônia de entrega dos certificados, Thyrso Maltez, coordenador do observatório do Mulheres Mil, em Salvador, falou sobre as potencialidades da profissão. “Vocês estão com uma especialidade que é nicho de mercado”, afirmou. O observatório tem o papel de fazer a interlocução entre o projeto e o mercado para incrementar a inclusão das alunas no emprego.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil está envelhecendo em ritmo acelerado e, desde 1960, a taxa de crescimento e de fecundidade declinam. As projeções do IBGE apontam uma realidade que favorece o mercado profissional no ramo de Cuidador Domiciliar, especificamente para os idosos. Em 2008, para cada 100 crianças de até 14 anos, existiam 25 idosos de 65 anos ou mais. A previsão é de que em 2050 sejam 173 idosos para cada grupo de 100 crianças

Durante o curso, com duração de seis meses, as alunas tiveram aulas de primeiros socorros, qualidade de vida, direito e saúde da mulher, meio ambiente, saúde bucal, aspectos psicológicos do idoso, relações interpessoais, economia solidária, informática, processo de envelhecimento, assistência domiciliar, visitas técnicas e aulas com especialistas da área de saúde.

Leia mais

Cerimônia marca início de nova carreira

Dayanne Pereira – Assessoria de imprensa do IFBA

© Ministério da Educação. Todos os direitos reservados | Desenvolvimento: DTI - MEC - Governo Federal