Portal do Governo Brasileiro
O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) recebeu, no período de 16 a 18 de junho, os professores selecionados para trabalhar no projeto Mulheres Mil no Estado. Os educadores participaram de um treinamento para conhecer a metodologia de Avaliação e Reconhecimento de Aprendizagem Prévia (ARAP), desenvolvida em instituições de ensino técnico do Canadá.

Com duração de 40 horas, sendo 20 horas presenciais e 20 a distância, o treinamento teve como objetivo promover a familiarização dos professores que vão atuar em cada uma das cinco comunidades atendidas pelo Casa Tilápia com as estratégias adaptadas à abordagem por competências.

Os professores selecionados nos municípios vão dar aulas de disciplinas do ensino fundamental, na modalidade de educação de jovens e adultos. Isso porque, além de oferecer cursos de capacitação profissional, o projeto visa a aumentar o nível de escolaridade das alunas participantes. E antes de entrar em sala de aula, esses educadores puderam conhecer a metodologia ARAP, que será utilizada no decorrer do projeto.


Troca de experiência empolga professores

Segundo Marcelo Camilo, gestor do Mulheres Mil no RN, a metodologia canadense será aplicada de forma a atender às necessidades e especificidades de cada localidade.

Já no primeiro contato com os professores, ficou visível a empolgação de todos em contribuir com o projeto e a expectativa pelo início das aulas. A professora Aparecida Aguiar, que vai atuar na comunidade de Canudos, no município de Ceará-Mirim, distante 31 km da capital, considera o Mulheres Mil como uma oportunidade para a troca de experiências. “Vou ensinar, mas também estou disposta a aprender com as alunas, que, com certeza, terão muito a nos oferecer com a experiência de vida delas”, afirmou Aparecida.

Outro educador selecionado, o José de Arimatéia Silva, que vai trabalhar na comunidade de Bebida Velha, no município de Pureza, que fica a 59 km de Natal, vê sua integração no projeto como uma maneira de crescer profissionalmente. “Será uma experiência única”, aponta o professor.

No Rio Grande do Norte, o programa Mulheres Mil vai funcionar através do projeto Casa da Tilápia, que tem como meta capacitar trezentas mulheres para o trabalho de artesanato em couro de peixe, uma das principais fontes de renda da região. De acordo com o professor Marcelo Camilo, a previsão é de que as aulas tenham início na primeira semana de julho.

Carmen Spinola – Assessoria de Imprensa do IFRN
© Ministério da Educação. Todos os direitos reservados | Desenvolvimento: DTI - MEC - Governo Federal